quinta-feira, 8 de abril de 2010

>Melodia e Gardênia

­
Meu coração é uma noite negra
Que me ilumina a
Cada vez que me elimino.
Seu longo véu de veludo
Cobre o planeta mudo
E eu assisto a tudo rindo.

Meu coração é uma Peste Negra
Que me infecta a cada vez
Que te detecta.
Não distingue a cor do vidro,
Não sabe se um anjo é um urubu travestido,
Não há candura que dura um só momento;
A gasolina não passa pelo ventrículo,
O sangue não bombeia o músculo do veículo,
Mas eu tento.

***

Um comentário:

sabrina mcosta disse...

você
e a mania que me desagrada.
agradou, desta.